Buscar
  • Irmão Dario Ângelo Baggieri

O Maçom e o Conflito‏


O conflito faz parte das nossas vidas. Quer queiramos, quer não. Existem interesses divergentes, quantas vezes inconciliáveis. Quando tal sucede, várias formas de lidar com o assunto existem: a força, a imposição de poder, a desistência, a conciliação, a cooperação, a hierarquização, etc..

Os maçons também vivem e estão sujeitos a conflitos. Tanto como qualquer outra pessoa vivendo em sociedade.

Mas os maçons deveriam aprender a lidar melhor com o conflito. Desde logo, porque aprendem, interiorizam e procuram praticar a Tolerância. Esta postura não elimina, obviamente, os conflitos, nem leva quem a pratica a deles fugir, ou a ceder para os evitar. Pelo contrário, ensina e possibilita a melhor gerir o conflito. E melhor gerir um conflito não é procurar ganhar a todo o custo.

Melhor gerir um conflito consiste em detectar e obter a melhor solução possível para o mesmo.

Por vezes, “vencer” o conflito pode parecer a melhor solução no curto prazo, mas revelar-se desastrosa depois.

O maçom aprende a gerir o conflito, desde logo treinando-se a fazer algo que, sendo básico, é muitas vezes esquecido: ouvir!

Ouvir o outro, as suas razões, pretensões. Ouvir o outro não é apenas deixá-lo falar. É prestar efetivamente atenção ao que diz e como o diz.

Para procurar determinar porque o diz e para que o diz.

E assim lobrigar exatamente em que medida existe realmente conflito de interesses entre si e o outro – ou se existe apenas uma aparência de conflito de interesses, por deficiente entendimento, de uma ou das duas partes, de propósitos, intenções, objetivos.

Ouvir o outro é o primeiro exercício prático da Tolerância, da verdadeira Tolerância. Porque esta não é o ato de, condescendentemente, admitir que o outro tenha uma posição diferente da nossa e permitirmos-lhe, “generosamente”, que a tenha.

A verdadeira Tolerância não é um ponto de chegada – é uma base de partida.

A verdadeira Tolerância resulta do pressuposto filosófico de que ninguém está imune ao erro.

Nem nós – por maioria de razão. Portanto, tolerar a opinião do outro, a exposição do seu interesse, porventura conflituais com a nossa opinião e o nosso interesse, não é um ato de generosidade, de condescende superioridade.

É a consequência da nossa consciência da Igualdade fundamental entre nós e o outro. Que implica o inevitável corolário de que, sendo diferentes as opiniões, se alguém está errado, tanto pode ser o outro como podemos ser nós. A Tolerância não é um ponto de chegada – é uma base de partida. Não é demais repeti-lo.

Porque a consciência disto possibilita a primeira ferramenta para a gestão do conflito: a disponibilidade para cooperar com o outro, para determinar (1) se existe verdadeiramente divergência entre ambos; (2) existindo, qual é ela, precisamente; (3) em que medida é essa divergência, superável, total ou parcialmente; (4) ocorrendo superação parcial da divergência, se o conflito se mantém e, mantendo-se, se conserva a mesma gravidade; (5) finalmente, em que medida é possível harmonizar os interesses conflituantes: cada um abdicando de parte do seu interesse inicial?

Garantindo ambos os interesses, seja em tempos diferentes, seja em planos diversos?

Treinando-se na prática da Tolerância, o maçom aprende a lidar melhor com o conflito, porque é capaz de, em primeiro lugar, determinar se existe mesmo conflito, em segundo lugar predispõe-se para cooperar na superação do conflito e finalmente adquire a consciência de que existem várias, e por vezes insuspeitas, formas de superar, controlar, diminuir, resolver, conflitos – quantas vezes logrando-se garantir o essencial dos interesses inicialmente em confronto.

E tudo, afinal, começa por saber ouvir e por saber tolerar (o que implica entender) a posição do outro.

Por isso o primeiro exercício que é exigido ao maçom é a prática do silêncio. Para que aprenda a ouvir, para que se aperceba do que realmente é dito, para que reflita sobre a melhor forma de resolver os problemas que ouça expostos.

Através do silêncio, aprende o maçom a sair de si e a atender ao Outro. Através da Tolerância da posição do Outro, aprende o maçom a descobrir a forma de harmonizá-la com a sua.

Através da busca da Harmonia, aprende o maçom a gerir os conflitos. Através da gestão dos conflitos, torna-se o maçom melhor, mais eficiente, mais bem sucedido.

Infelizmente com a globalização, o imediatismo e a falta de perseverança e paciência imperam em todas as Sociedades, e a Maçonaria não esta imune a estes percalços.

O HOMEM MAÇOM, é extremamente conflituoso, egocêntrico, Vaidoso e arrogante.

A Lapidação da Pedras bruta e a Construção do Templo Interior, deve ser diuturna e sistemática.

Somente assim os CONFLITOS poderão ser equacionados e ou Solucionados. O Dia que o IRMÃO ENTENDER que somos anjos de uma só asa e que para voarmos e alçarmos conquistas, teremos que nos abraçar e unir os corações, pois somente assim teremos um PAR de ASAS e voaremos juntos.

O Verdadeiro crescimento sempre é precedido por dificuldades para serem superadas.

Ame as Pedras que foram colocadas em seu caminho, pois o GADU as pôs para que vós pudésseis progredir na virtuosa caminhada da busca continua da perfeição.

Aprenda também a Amar o seu irmão e a ver no espelho da vida, o reflexo da Beleza de DEUS.

Irmão Dário Ângelo Baggieri

#conflito #poder #tolerância #silêncio #globalização #vaidade #Deus #anjo #asas

33 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

O IDEAL QUE GEROU A AMLES

O IDEAL QUE GEROU A AMLES Em cinco de julho do “anno Domini de mil novecentos e noventa (1990), às dezenove horas (19:00) sob a Proteção do Grande Arquiteto do Universo e inspiração de Tiradentes”, co

ELDCON CONTABILIDADE ENEAS
Gavi
Centro Nutrologia e Nutrição